Share |

BE APRESENTA PROPOSTAS QUE PERMITEM À CÂMARA MUNICIPAL INVESTIR MAIS DE 30 MILHÕES EM AÇÃO SOCIAL E SERVIÇOS PÚBLICOS

BLOCO DE ESQUERDA APRESENTA PROPOSTAS QUE PERMITEM À CÂMARA MUNICIPAL INVESTIR MAIS DE 30 MILHÕES EM AÇÃO SOCIAL E SERVIÇOS PÚBLICOS

O Bloco de Esquerda apresentou, na última 6ª feira, uma série de propostas para as Grandes Opções de Planos e para o Orçamento Municipal do próximo ano.

O Bloco quer que a Câmara faça poupanças significativas em despesas supérfluas para poder investir de forma decidida onde realmente é necessário investir, como na ação social, nos equipamentos e serviços públicos, na promoção do bem-estar e na qualidade de vida dos feirenses, entre outras prioridades.

As propostas apresentadas permitem à Câmara Municipal de Santa Maria da Feira libertar mais de 30 milhões de euros que devem ser aplicados, por exemplo, no reforço de medidas sociais.

Em 2017 houve 27 milhões de euros que ficaram por executar e que agora devem ser aplicados em programas de ação social e medidas de investimento público. Para além disso, o Bloco defende um corte em despesa desnecessário. Por exemplo: em 2017, a Câmara gastou 7,4 milhões em ‘outros serviços’ adquiridos externamente, mais de 3,5 milhões com aluguer de instalações, mais de 360 mil euros em software, 123 mil euros em estudos, pareceres e consultoria, mais de 62 mil euros em publicidade e quase 420 mil euros em relvados sintéticos.

Estas verbas podem agora ser aplicadas em medidas que têm tido orçamentos ridículos e que têm sido completamente ignorados pelo Executivo do PSD, apesar de serem muito mais importantes para a população do que as fortunas que se gastam em consultorias e serviços externos.

A título de exemplo, em 2017, houve apenas 50 mil euros para bolsas de estudo, o cartão Feira Sénior teve uma execução de apenas 1.505 euros, o plano municipal de prevenção da toxicodependência e alcoolismo funcionou com apenas 24 mil euros, a medida de apoio a estratos sociais desfavorecidos ‘Concelho Solidário A’ teve apenas 11.569 euros e a medida extraordinária ‘Concelho Solidário B’ ficou-se pelos 5.440 euros.

Como é fácil de ver, a Câmara gasta muito no supérfluo (assessorias, publicidade, consultadorias, licenças de software, etc.) e investe quase nada no que é essencial. É por isso que o Bloco propõe que, em 2019, se inverta este ciclo.

Com as propostas do Bloco de Esquerda é possível, já em 2019, destinar 30 milhões de euros a estas e outras políticas. Em concreto, defendemos o investimento claro em:

- reforço significativo dos programas sociais existentes, mas que subsistem quase sem verba;

- criação de um plano municipal de habitação que requalifique os bairros;

- criação de um programa de emergência social que apoie os feirenses com muito baixos rendimentos;

- implementação de uma Tarifa Social na Água;

- criação de um programa de comparticipação de medicamentos;

- construção de um centro coordenador de transportes;

- criação de uma rede de transportes públicos que ligue, efetivamente, todas as freguesias do concelho;

- requalificação das margens dos rios;

- eliminação de barreiras arquitetónicas do espaço público;

- melhoria da recolha de resíduos sólidos urbanos e diferenciados;

- requalificação de equipamentos desportivos;

- construção de parques infantis e criação de espaços verdes;

- apoio à criação de consultas de psicologia, oftalmologia e dentária nos centros de saúde;

- aumento do número de bolsas de estudo atribuídas pela Câmara Municipal;

- criação de roteiros dos patrimónios industrial, histórico e arqueológico do concelho;

- reabilitação do património histórico de elevado interesse e que se encontra degradado como, por exemplo, o Castro de Romariz, o Castro de Fiães, o edifício da Malaposta, a Estrada Real, a Quinta do Engenho Novo, o Mercado Municipal e a Via Antiga de Mosteirô;

- Implementação de um Programa Municipal de Esterilização de cães e gatos.

ler aqui todas as propostas

AnexoTamanho
prop.02_-_propostas_plano_e_orcamento_2019.pdf600.23 KB